Os minerais do futuro sob pressão- Portal Pebão - Portal Pebão

Destaques

Publicidade Página Inicial



terça-feira, 19 de outubro de 2021

Os minerais do futuro sob pressão- Portal Pebão

 Os minerais do futuro sob pressão

Foto/ crédito: reprodução

Uma grande revolução econômica, principalmente do ponto de vista energético, está prestes a ocorrer. Países responsáveis por 70,6% do PIB global se comprometeram a zerar suas emissões líquidas de carbono até 2050, em uma tentativa de cumprir o Acordo de Paris. É um caminho cheio de desafios. Mas também de oportunidades para países e para empresas.

A mudança passa, por exemplo, por uma mudança radical na mineração. Carros elétricos, baterias, turbinas eólicas, painéis solares e milhares de quilômetros de fios de transmissão, tecnologias essenciais para descarbonizar a economia, vão aumentar a demanda por minerais como cobre, lítio e níquel a patamares inéditos. Mineradoras, porém, já avisam que não darão conta de oferecer todas essas commodities na quantidade necessária e uma escassez - seguida por pressão nos preços - é esperada para os próximos anos.

No caso do cobre, devem faltar entre 6 e 8 milhões de ton. do metal em 2030, dizem especialistas. Será o dobro da escassez registrada no início dos anos 2000, quando o boom da China aumentou a procura pela commodity e também desencadeou uma alta nos preços.

Agora, diante da previsão de falta global do produto, a cotação do metal também entrou em tendência de alta e hoje ronda a casa dos US$ 10,2 mil por ton.

Excelente metal para transformar e transmitir energia, o cobre é usado de forma intensiva nos carros elétricos - que vão se multiplicar pelas ruas com o processo de descarbonização da economia. Um único veículo desses leva entre 60 kg e 83 kg da commodity em sua composição, enquanto um modelo a combustão leva entre 15 kg e 20 kg.

Entre os materiais cuja procura deve crescer de forma acelerada por causa da eletrificação estão também o níquel e o lítio. No caso do níquel, a aplicação deverá ser sobretudo em baterias.

Já a situação do lítio, é mais controversa. Há discordância entre os especialistas se haverá um descasamento entre demanda e oferta. "O lítio não tem hoje a demanda que o cobre já tem para outros usos. Se a procura pelo lítio aumentasse gradualmente, talvez não houvesse problema, mas a oferta depende dos novos projetos", diz Rodrigo Más, da Bain.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.