PF apura fraudes no contrato de aquisição de cestas básicas pelo governo do Pará - Portal Pebão

Destaques

ANUNCIE AQUI

Publicidade Página Inicial

Últimas Notícias No Facebook

quinta-feira, 18 de junho de 2020

PF apura fraudes no contrato de aquisição de cestas básicas pelo governo do Pará

Polícia investiga fraudes em um contrato de R$73.928.946,00 celebrado pela Secretaria de Estado de Educação do Pará. Seduc afirma que não houve prejuízo ao erário público.

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (18) a” Operação Solércia”, que tem como objetivo apurar eventuais fraudes no contrato de aquisição de cestas de alimentação escolar para toda a rede estadual de ensino. A PF investiga fraudes num contrato de R$73.928.946,00, celebrado pelo Governo do Pará através da Secretaria de Estado de Educação do Pará (Seduc). Estão sendo cumpridos 16 mandatos de busca e apreensão no Pará e em São Paulo. A PF conseguiu indícios da existência de várias empresas que estavam em nome de pessoas intermediárias, mas pertenciam a empresários que são proprietários de uma grande rede supermercado e magazine no Estado do Pará.

A investigação apurou que as empresas estavam em nomes de terceiros desde o momento que foram constituídas. Foram realizados diversos contratos com o governo do Pará, sempre vencendo licitações especialmente na área da saúde, mais especificamente, em contratos celebrados com o Hospital Regional de Salinópolis.

As buscas foram realizadas nas sedes das empresas utilizadas nas supostas fraudes, no setor de licitações da Secretaria de Educação, no Hospital Regional de Salinas (HRS) e nas residências de pessoas envolvidas na apuração. Os crimes em apuração são de associação criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva, falsidade ideológica e crimes previstos na lei de licitações.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) informou que "a própria Secretária de Educação cancelou imediatamente o contrato com a empresa quando tomou conhecimento da denúncia e não houve nenhum pagamento, portanto nenhum prejuízo ao erário público".









G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.