Reprodução
 último sábado, Magui, uma cadela da raça bóxer adulta, passou mal e teve problemas nervosos por causa de uma queima de fogos de artifícios na cidade de Chubut. A história da família Modasjazh com sua cadela comoveu a população da Argentina e viralizou nas redes sociais. As informações são do Extra.
A família tentou se comunicar com vários veterinários para atender a cachorra, mas o animal não resistiu e teve uma parada cardíaca. Magui estava abraçada ao filho mais velho deAntonella Modasjazh quando faleceu.
A matriarca fez uma postagem nas redes sociais como forma de homenagem à cadela e para relatar o drama vivido por eles. Mas o assunto só ganhou uma maior repercussão quando a organização organização Amigos dos Animais Esquel (ADAE) compartilhou o desabafo da mãe de família.
“Ela era nosso mascote amado!!! O nome dela era Magui e ela acabou de morrer. Ela era velhinha e tinha pavor de fogos. Não sabíamos onde mais colocá-la enquanto os outros se divertiam, ela estava tendo um momento difícil. Um ataque a pegou, ligamos para todos os veterinários para nos ajudar e nenhum atendeu! A cachorra morreu nos braços do meu filho, enquanto ele implorava que eu chamasse alguém para ajudá-la”, diz a publicação.
A ADAE alertou as pessoas sobre os cuidados que os bichos necessitam nessa época de final de ano. “Sua diversão a atordoou, aterrorizou, gerou um pânico inexplicável. Sua diversão a matou. Magui morreu nos braços de seu dono. Sua família estava desconsolada, perturbada, impotente diante de tal injustiça ”, diz a publicação da organização.


Ano Novo costuma ser a maior preocupação dos proprietários, pois a queima de fogos costuma durar muito tempo. Em algumas cidades ultrapassam 15 minutos! Ao longo do ano, como em partidas de futebol, esse momento é rápido e passageiro, sendo mais fácil de lidar. 
No entanto, se você cansou de ver seu cãozinho sofrendo nessas datas comemorativas, saiba que existem métodos eficazes e que podem ajudá-lo a aguentar a barulheira. Antes de tudo, entenda o porquê os cachorros odeiam fogos de artifício e depois daremos algumas dicas para protegê-lo no Ano Novo. 

Cães e fogos de artifício

Pode parecer estranho os animais terem tanto medo de um momento de celebração, mas, diferente de nós que lidamos bem com o barulho alto, eles têm um ouvido muito mais sensível. Por causa desta característica, os fogos acabam sendo algo muito pior e difícil de aguentar para os cães. Além da maior acuidade auditiva, podem também associar o excesso de som a uma ameaça. 
O cão não tem a capacidade de entender que é um dia de comemoração. Para ele, qualquer alteração visual ou barulho fora do normal é visto como ameaça imediata. É por isso que os rojões causam tanto medo neles. Como consequência, saem correndo pela casa, buscam esconderijos, estragam móveis por causa de nervosimo, alguns até tentam fugir e outros podem ficar agressivos. 
Essas reações são normais e instintivas, impulsionadas pelo pavor. O maior problema é quando o animal se machuca tentando se proteger. Por isso, para evitar tais complicações, é importante conhecer algumas dicas que ajudarão o cão ficar calmo durante a queima de fogos. 

Ano Novo é uma época complicada para os cães por causa dos fogos de artifício
Foto: Reprodução Pinterest
Ano Novo é uma época complicada para os cães por causa dos fogos de artifício


1. Faça o cão se acostumar com barulhos altos

Como já foi dito anteriormente, o pet não está acostumado com excesso de barulhos e para ele, por causa do ouvido sensível, o som se torna muito pior. Então, uma dica é fazê-lo entender que os estrondos não são uma ameaça. 
Esta técnica precisa se colocada em prática antes da temporada de fogos de artifício, então comece o quanto antes. Reproduza no computador ou celular sons que ele não esteja acostumado a ouvir. Provavelmente ficará com medo, então não saia do seu lado. Enquanto a "música" toca, faça carinho e ofereça petiscos. O cachorro precisa aprender que barulhos altos não significam ameaças. 
Repita esta técnica durante alguns dias, até ele se acostumar e ficar calmo. Aos poucos você perceberá que ele reage melhor ao ouvir o som. Mas, se não estiver funcionando, evite ficar insistindo e tente outro método. 

2. Algodão no ouvido

Abafar o som pode ser uma técnica eficiente e bem simples de ser realizada. Enrole um chumaço do algodão de um tamanho considerável e coloque dentro do ouvido do pet. Cuidado para não enfiar muito fundo e machucá-lo. Ponha numa profundidade que o algodão fique firme e não caia. 
Se o seu cão é bravo e agressivo, pode ser que não aceite tão fácil um objeto estranho no ouvido. Neste caso, tente colocar o algodão uns dias antes da queima de fogos e veja como ele reaje. Não insista se ele não gostar. A melhor solução é partir para outra dica. 

3. Proporcione um esconderijo

Na hora da queima de fogos, é bem provável que o cão tentará se esconder. Então, para evitar que ele fique correndo sem rumo pela casa e acabe num local perigoso, se antecipe e prepare um esconderijo. Escolha um cantinho protegido, sem nada por perto que possa machucá-lo. Coloque água e comida e, se for preciso, feche a porta para mantê-lo seguro. 
Se o seu pet está acostumado com a caixa de transporte, pode ser uma opção de esconderijo. Coloque-o lá dentro para se sentir seguro. Também ofereça alimentos e água para deixá-lo confortável, assim como os brinquedos favoritos. 

4. Dê muito carinho neste momento

Independente do método escolhido, é muito importante não sair de perto do cachorro. Se você fizer carinho e der atenção durante a queima de fogo, é bem provável que ele se sentirá mais calmo e seguro. A companhia dos donos geram mais confiança para animais domésticos, principalmente nestes momentos de pavor. 

Faça de tudo para evitar que o cão fique com muito medo
Foto: shutterstock
Faça de tudo para evitar que o cão fique com muito medo


Outras dicas

  • O seu comportamento pode influenciar o do cachorro. Então, mantenha a tranquilidade na hora do barulho, assim você passará confiança ao pet.
  • Mantenha as janelas e cortinas fechadas para que abafe um pouco dos sons dos fogos de artifício. Assim que passar o barulho pode abrir novamente. 
  • Muita atenção as portas. Deixe todas fechadas para evitar que o cão fuja num acesso de medo. O mesmo vale para o portão que dá acesso a rua. 
  • Não esqueça de colocar a coleira com a placa de identificação, pois, caso ele fuja, você conseguirá tê-lo de volta mais facilmente. 
  • Jamais deixe-o amarrado. Na hora do medo pode se enforcar tentando se soltar. 
  • Mantenha o animal longe das escadas. Fugas para se proteger pode levar a quedas, algumas delas fatais. 
  • Se houver mais de um cachorro na casa é bom separá-los. Situações de estresse favorecem brigas e eventuais ferimentos.

Caso seu pet seja muito apavorado e tenha medo exagerado de fogos, convém fazer uma visita ao veterinário. Explique a situação e possivelmente ele indicará medicamentos tranquilizantes. Lembre-se de nunca ministra remédios sem a prescrição de um profissional.