Em seu último levantamento de 2019, apresentado nesta sexta-feira (20), a pesquisa CNI-Ibope revela que a parcela da população que aprova a maneira de governar do presidente Jair Bolsonaro é de 41%, enquanto aqueles que desaprovam é de 53%. O índice de confiança no presidente também é de 41% dos brasileiros e os que afirmam não confiar nele é de 56%.
Outra pesquisa, denominada Sondagem Especial: Avaliação do Governo pelo Empresário Industrial, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada em 11 de dezembro, mostrou que, entre os empresários industriais, a avaliação do governo é mais positiva: 65% dos entrevistados disseram confiar no presidente Bolsonaro e 64% disseram aprovar sua maneira de governar.
A pesquisa CNI-Ibope, divulgada nesta sexta-feira (20), mostra também que 29% da população considera o governo de Jair Bolsonaro ótimo ou bom. Este índice é aproximadamente a metade da avaliação feita pelos industriais brasileiros, entre os quais, 60% consideram o governo ótimo ou bom.
“A diferença na avaliação do governo entre empresários e a população em geral pode ser explicada pela diferença na percepção das condições econômicas. Os empresários já percebem a retomada do crescimento (inflação e juros baixos, consumo voltando a crescer), enquanto a população ainda vê o país com alto desemprego e renda baixa”, analisa Renato da Fonseca, gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI.
Para o economista, a população, sobretudo as famílias com renda mais baixa continuam com dificuldade de recuperar a capacidade de consumo. Por isso, não percebem que a economia está voltando a crescer. À medida que a recuperação ganhar força, provavelmente em meados de 2020, o emprego passará a crescer mais rápido e a população começará a perceber com mais clareza a melhoria na economia.
CONTRASTES – Ainda de acordo com a pesquisa CNI-Ibope, 31% dos brasileiros consideram a atual administração regular, enquanto 38% a avaliam como ruim ou péssima. Em contraste, a Sondagem Especial com empresários mostra que 26% dos industriais acham que o governo é regular, enquanto 7% avaliam a atual administração como ruim ou péssima.
Na indústria da construção, 69% confiam em Jair Bolsonaro e 69% aprovam a maneira de governar do presidente. Na indústria de transformação, 67% confiam no presidente e 65% aprovam sua maneira de governar. Na indústria extrativa, 62% confiam no presidente e 59% aprovam sua maneira de governar.
Em relação às perspectivas da população quanto ao restante do governo, a CNI-Ibope mostra que as avaliações positivas e negativas da população convergem dentro da margem de erro. Segundo a pesquisa, 34% consideram que os próximos anos de mandato serão ótimos ou bons, enquanto para 32% serão ruins ou péssimos. Para 28% dos ouvidos, os próximos três anos serão regulares.
ÁREAS DE GOVERNO – A segurança pública segue como a área de governo mais bem avaliada pela população, sendo aprovada por 50% dos brasileiros – a taxa de desaprovação é de 47%. Em seguida, aparece a área de educação, aprovada por 45% dos brasileiros. No terceiro lugar, o combate ao desemprego conta com 41% de aprovação entre a população, um aumento de 5 pontos percentuais em relação à pesquisa de setembro.
A CNI-Ibope ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios, entre 5 e 8 de dezembro. A Sondagem Especial: Avaliação do Governo pelo Empresário Industrial, por sua vez, entrevistou 1.914 empresários de todo país entre os dias 2 e 10 deste mês. Em ambas, a margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e, a confiança, de 95%.
PERCEPÇÕES DA POPULAÇÃO – Recentemente, o Ibope fez também uma pesquisa para aferir as  expectativas da população com relação à economia brasileira para 2020 e a avaliação sobre projetos e ações de iniciativa do governo de Jair Bolsonaro. De acordo com essa pesquisa, que entrevistou 2 mil pessoas em 127 municípios e foi divulgada em 11 de dezembro, quase metade (49%) da  população acredita que a situação econômica do país vai melhorar no próximo ano. Outros 24% dizem que ficará igual e 24% afirmam que a situação vai piorar.
O levantamento revela também que a população apoia as reformas estruturais e medidas do atual governo nas áreas econômica e social. Alguns exemplos: 88% apoiam a liberação de recursos do FGTS para trabalhadores e também a criação da “carteirinha de estudante digital”; 78% apoiam a manutenção da inflação dentro da meta; 76% apoiam a liberação de 13º salário para beneficiários do Bolsa Família e a abertura de agências bancárias aos sábados; 62% apoiam o pacote anticrime enviado pelo governo ao Congresso Nacional e a Lei da Liberdade Econômica; 57% apoiam as privatições e as concessões de serviços públicos à iniciativa privada.
Na avaliação dos brasileiros, o desemprego, com 30% das citações, a segurança pública e a violência, com 24% das menções, e a saúde, também com 24% das respostas, lideram a lista dos problemas que “vão melhorar em 2020”. Em quarto lugar, com 23% das citações, vem a educação, e, em quinto, com 16% das respostas, a corrupção.